Ultra Rádio

O vice-líder da oposição na Câmara e pré-candidato ao Senado, Sílvio Costa (Avante), visitará o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na próxima terça-feira (29/05), na carceragem da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. O parlamentar integra uma comissão de parlamentares da Câmara que fará uma inspeção na cela, onde Lula está preso desde 7 de abril. A visita a Lula foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato.

“O ex-presidente Lula fez muito pelo país, principalmente pelos menos favorecidos e pelas regiões menos desenvolvidas. Pernambuco e o Nordeste devem muito a Lula. Ele está condenado sem prova material. Nós vamos inspecionar as condições em que está alojado, enquanto o STF não derruba essa prisão injusta”, explica Sílvio Costa.

Sílvio Costa é o único componente da bancada federal de Pernambuco que faz parte da Comissão Externa criada pela Câmara. Os deputados da comissão vão verificar as condições em que se encontra preso o ex-presidente. A visita a Lula, que está na carceragem da superintendência da Polícia Federal do Paraná, será também um gesto de solidariedade e apoio à sua pré-candidatura presidencial.

A comitiva conta com mais 12 deputados do PT, PSB, PSOL, PCdoB e PDT. Além de Sílvio Costa, fazem parte da comissão de inspeção os deputados Paulo Pimenta (RS), Benedita da Silva (RJ), José Guimarães (CE), José Mentor (SP), Paulo Teixeira (SP) e Wadih Damous (RJ), todos do PT, mais os deputados Bebeto (PSB/BA), André Figueiredo (PDT/CE), Weverton Rocha (PDT/MA), Jandira Feghali (PCdoB/RJ), Orlando Silva (PCdoB/SP) e Ivan Valente (PSol/SP).

O ex-presidente foi condenado a 12 anos e um mês de prisão, acusado de ser proprietário oculto de um triplex em Guarujá (SP) que seria reformada pela empreiteira OAS. Mas, quando o Ministério Público Federal (MPF) apresentou a denúncia em setembro de 2016, o procurador Henrique Pozzobon admitiu que não não havia “prova cabal” de que Lula era o proprietário do triplex.

Outro detalhe é que, em janeiro deste ano (2018), a Justiça do Distrito Federal determinou a penhora dos bens da construtora, dentre eles o apartamento que a Operação Lava Jato atribuía a “cacique” do PT. E no mês passado foram publicadas na internet imagens mostrando que o imóvel não passou por reformas.

Fonte: Brasil 247